Mulher olha a paisagem pela janela

Ao ter contacto com uma língua estrangeira, temos de reaprender a escutar. Decifrar esses novos sons é o primeiro gesto. Como se se tratasse de uma nova canção que estamos a aprender. Novos sons, novas emoções. Por isso, aprender uma nova língua é aumentar a nossa capacidade de ver o mundo.

Mas estas barreiras que se erguem quando tentamos comunicar com alguém que não fala a nossa língua também existem quando falamos com pessoas que falam o nosso idioma materno. Quantos mal-entendidos, incompreensões, preconceitos, a priori temos quando ouvimos alguém?

É precisamente nessa fronteira que existe entre o espaço íntimo do (eu, cá) e no contacto com o outro (tu, lá) que esta peça nasce. Porque por detrás de uma linguagem está uma pessoa, que usa apenas estas estruturas como modo e estratégia de comunicação, numa tentativa de ser eficaz com o que quer partilhar. Mas nem sempre a eficiência ganha, e nem sempre se ganha com essa eficácia.

Usando como ponto de partida a aprendizagem de uma nova língua, acreditamos que  todas as dificuldade inerentes – o engasgar, a dificuldade em articular, o embaraço, a frustração do querer falar sem se saber, o saber o que se quer dizer mas não como o dizer, a alegria de se fazer entender – expressam muitas das questões que queremos trabalhar.

Eu Cá, Tu Lá nasce na fronteira que existe entre o espaço íntimo do próprio (eu, cá) e o contacto com o outro (tu, lá).

De Nuno Lucas

Investigação e dramaturgia Joris Lacoste

Com Crista Alfaiate e Paulo Quedas

LU.CA – Teatro Luís de Camões

Requer marcação prévia
Nível de Ensino
3.º Ciclo
Duração
50'
Data
11 a 20 de março de 2022 | Escolas 11, 16, 17 e 18 de março: 10h30
Preço
Preço Escolas: 3€ < 18 anos |1€ escolas TEIP | Acompanhantes isentos
Outras Informações
Classificação Etária: A classificar pela CCE | Temática adequada ao 3.º ciclo