Sala Mário Viegas, Teatro S, Luiz

Uma peça que se desenvolve a partir do reencontro criativo entre Aldara Bizarro e Sónia Baptista, depois de passados muitos anos desde a sua última colaboração. Na altura do seu primeiro encontro, Aldara estabelecia-se como criadora, Sónia crescia, muitas vezes contrariada, como presença híbrida e fluída. As preocupações que as moviam foram-se transmutando com os anos, as questões que as revolviam foram crescendo com os anos e com os encontros. “Considerando que cada encontro é uma pergunta potencial, que no fazer e refazer da nossa identidade se apreende o mundo, que o caminho se clarifica com a construção e a curiosidade, o caminho que lança o sentido da existência. Por tudo isso provocamos outros encontros, com a Ana Valentim e a Nádia Yracema, com gerações e origens diferentes, para explorar as pontes, e os fossosgeracionais, que ligam quatro vivências distintas, em diálogoou conflito com a geração que vive a adolescência no momento presente”, descrevem. Falam da experienciação dos afetos, dos desejos, das estranhezas, da aprendizagem do amor, nas suas variadas manifestações, dentro de dinâmicas familiares, culturais e sociais. Do corpo como repositório de dúvidas, esperanças, anseios e lutas. Uma construção física que evolui a par com a construção da identidade. “Questionamos o porquê das coisas, duvidamos, duvidamos muito. Antevemos outras possibilidades e outros sentidos no des-sentido da existência”, acrescentam.

Público-alvo: maiores 14 anos.

São Luiz Teatro Municipal

Requer marcação prévia
Nível de Ensino
3.º Ciclo, Ensino Profissional, Secundário
Duração
60'
Data
30 março a 1 abril, de quarta a sexta, 10h30 e 14h30
Número de Participantes
São Luiz Teatro Municipal - Sala Mário Viegas
Preço
€3 por aluno
Local
€3 por aluno Conceção Aldara Bizar
Conceção
Aldara Bizarro e Sónia Baptista, em colaboração com Ana Valentim e Nádia Yracema
Realização
Aldara Bizarro, Sónia Baptista, Ana Valentim e Nádia Yracema
Outras Informações
A classificar pela CCE