Sobre o DESCOLA

O DESCOLA é um projeto de intervenção estratégica do município de Lisboa na relação entre a cultura e a educação. Dirige-se ao público escolar e envolve os agentes culturais municipais, entre museus, teatros, arquivos e bibliotecas, na valorização da dimensão educativa do património cultural e artístico da cidade, fazendo-o chegar a todos, e ao longo da vida, como fonte de inspiração e sentido de pertença.

As atividades propostas no DESCOLA têm o Perfil do Aluno do séc. XXI e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável como referência, e o património cultural e artístico de Lisboa como campo de pesquisa, de questionamento e criatividade. 

O projeto segue quatro linhas orientadoras:

1. Promover experiências significativas a partir do património cultural de Lisboa

A cidade de Lisboa abarca um património rico e diversificado de lugares, personalidades e acontecimentos que marcaram a nossa história e identidade. Trabalhar estes conteúdos culturais nos cenários em que aconteceram e em contacto com os objetos e documentos que deles são testemunho adiciona à informação experiências que emocionam e fazem pensar. São experiências que concretizam e dão sentido aos conteúdos curriculares e que permitem atualizar o modo como pensamos, sentimos e nos relacionamos com as pessoas e os lugares do presente. Formam um importante chão comum para a vivência democrática numa cidade onde crescem novas vozes e culturas diferentes.

2. Dinamizar a relação entre as escolas e os equipamentos culturais

O trabalho colaborativo entre mediadores culturais, artistas e professores permite partilhar perceções, expectativas e desafios comuns no que toca a motivação dos alunos e a sua participação ativa no processo de aprendizagem. Juntos estamos a encontrar ligações pertinentes entre a oferta de educação cultural e artística e os conteúdos curriculares. Nesse processo de aproximação sabemos que é preciso transformar as práticas pedagógicas tradicionais para promover competências transversais a várias áreas do saber. E sabemos que é preciso ajustar as narrativas e estratégias de mediação para conseguir comunicar com públicos diferenciados garantindo que o património cultural permanece relevante, acessível e inclusivo junto da comunidade escolar.

3. Dar voz e responsabilidade aos alunos

O DESCOLA persegue uma visão humanista orientada para a formação global e para a cidadania ativa tal como é preconizada no Perfil do Aluno à saída da escolaridade obrigatória. Competências como a autonomia, o sentido crítico, a criatividade, a sensibilidade estética e artística, a capacidade de iniciativa e o espírito de equipa encontram nas artes e na cultura e nos contextos não formais de aprendizagem um território fértil para serem exercitadas. Esse exercício valoriza o que os alunos já sabem e desafia-os a questionarem-se sobre o que está para além do que conhecem, para que queiram saber mais e ousem pôr em causa o preconceito e as convenções sociais com as quais estejam em desacordo. No fundo, convoca-se a participação ativa dos alunos e criam-se condições para que desenvolvam a sua voz.

4. Alimentar ecossistemas de aprendizagem

Liberdade, Cidade, Biodiversidade e Património são temas transversais aos vários Objetivos do Desenvolvimento Sustentável que identificámos como prioritários na abordagem ao património cultural e artístico da cidade. Promovemos a sua interceção com as competências do Perfil do Aluno para alimentar um ecossistema dinâmico onde fluem as incursões ao passado para tratar questões chave do presente, discutindo o desenho de futuros alternativos, envolvendo consciencialização e cidadania ativa, considerando os desafios à sustentabilidade de territórios tanto biológicos como sociais, discutindo a democracia, os direitos humanos e as correspondentes responsabilidades na perseguição da inclusão e da justiça social.